AMIGOS

domingo, 29 de junho de 2008

' DEFICIENTE SIM, MAS MALUCO '

NÃO

' A PARTE BOA DA CIÊNCIA '


Pernas biónicas.

sexta-feira, 27 de junho de 2008

' ULTIMO MODELO '


Minha próxima rodinhas...

quinta-feira, 26 de junho de 2008

' FORÇA EXTRA_AMOR '


Rick Hoyt nasceu em 1962 e por causa de um estrangulamento pelo cordão umbilical que privou seu cérebro de oxigênio na hora do parto, sua vida jamais seria normal. Aos 8 meses, os médicos disseram à família que Rick não duraria muito tempo e que ele seria um vegetal para o resto da vida. Seus pais porém, jamais cogitaram a possibilidade de interná-lo. Contra tudo e contra todos, Dick, o pai, e Judy, a mãe, usaram e abusaram de carinho, paciência e amor para dar uma vida digna ao pequeno Rick.

Obvious/2008/06/um_time_de_emocao.html

--//--



domingo, 22 de junho de 2008

' OLHAR DE PÉ '


Dos E.U.A. saiu uma das muitas possibilidades de ajuda para os incapacitados motores, uma independência inigualável que até hoje estaria a anos de luz.

Em quatro rodas, a iBot (Individual Balancing Optimized Transporter) consegue ultrapassar barreiras que para os dependentes pensariam que seria uma montanha, esta cadeira com quatro rodas de giro, pode se manter em duas, elevar-se até à altura de uma pessoa em pé, o que dá motivo de alegria a muitos que podem olhar mais de frente os seus semelhantes. Atinge uma velocidade de 16Km/h. Os degraus deixam de ser uma barreira.

Seis sensores detectam se o ocupante faz inclinação para trás ou para a frente para controlar o motor da cadeira para subir ou descer escadas, mantendo assim o equilíbrio.

_______________





quinta-feira, 19 de junho de 2008

Chegar mais longe.




TRIBUTO A UM HOMEM SENTADO

Dia 7 de Janeiro de 1982, quinta feira, Carlos Frazão vai almoçar a casa, em Curvachia, (Cortes) lugar perto da cidade de Leiria. Vai em correria como sempre o fazia, todos os dias voava na euforia da juventude, 18 anos e arrogante imortalidade dos mesmos anos, como que se nada o detivesse. O rosnar do motor da sua moto, o vento sopra os cabelos, o frio endurece as mãos como que enrijando o semblante da cara e seus músculos, mas mesmo assim não abranda a marcha em direcção ao almoço.

Piso húmido e escorregadio, Carlos sente a moto a escorregar, desobedece ao condutor e não faz a devida curva, o corpo tomba e embate num veículo automóvel, os pensamentos correm de atropelo e pensa: "Aguenta-te Carlos, é preciso saber cair"...

Os ossos de repente viram papel, as pernas embrulhadas no corpo franzino, um puzzle de membros soltos, corpo jogado no chão como uma marioneta humana.
Carlos sabe logo, não tudo talvez, ou se calhar nem queria saber, mas o peso morto das pernas e a imobilidade persistente, leva-o a pensar o pior.

Na ambulância tentam o animar, chamam-no pelo nome e dizem:
"Então Carlos, isso é que foi, hem ?"Mas as pernas, aquela desobediência das mesmas preocupava-o demasiado para se deter em conversas.
" Não... não me digam que fico aleijado !!!"
Os bombeiros fugiam ao assunto: "Quais quê, aleijado !" 
Os mesmo olhavam de soslaio e continuavam:
"Não vamos pensar o pior, Carlos, foi somente uma queda e tanto"...

Do Hospital de Leiria, transferiram-no para Coimbra, esteve em coma três dias, quando acordou, tem a notícia que seu corpo era uma espécie de puzzle por completar, fractura da coluna, costelas partidas, perna direita com fractura exposta, perna esquerda partida, clavícula quebrada.

Assim que acordou, numa obstinação de quem tem 18 anos e uma vida pela frente, fez força para mover os dedos, primeiro os dos pés, de seguida as pernas, nada... absolutamente nada.

Olha em sua volta, procura os médicos e olhar nos olhos deles, nos enfermeiros, mas foi no olhar inchado de choro de sua mãe que encontrou a resposta, estava paraplégico.

Mas a impossibilidade da daquela curva, coração destemperado, as mãos quentes e suadas, tudo isso Carlos sente que tinha acabado de o fazer, diz que não teve nem um momento de desespero, cala-se, recua, corrige, sim tive...

Mas foi breve, porque o silêncio invadiu o quarto e todos os que nele estavam de redor de seu leito enfermo.
Os médicos dizem que ainda pode ter uma recuperação, falavam-lhe em percentagens, mas Carlos sem ter passado do 5º ano de escolaridade, sabe que 90% de hipóteses de voltar a andar, eram muito remotas, mas nunca devia de baixar os braços.
As horas, os dias, os meses que se seguiram eram vagarosos, no entanto sem pressa seguiu uma cruzada para recuperação do puzzle que era seu corpo e seu futuro.

Treze meses em Coimbra e depois em Alcoitão, nome que faz arrepiar quem por lá passou, mesmo só de visita.
Com apenas 18 anos, a vida de Carlos Frazão virou-se do avesso.
Em Alcoitão arrastou as pernas mortas com a força dos braços em barras de ferro, forçou o corpo massacrado de sonolência para obrigar a reagir, tornou a forçar, lutou contra ossos e contra músculos até aprender a descobrir melhoras, até sentir a sua autonomia, até nos 9 meses que passaram conseguir novas conquistas e metas.
Fez ginástica, nadou, jogou basquetebol, acostumou-se a ser livre, mesmo que isso o obrigasse a aprender andar de cadeira de rodas, acostumou-se a olhar para o mundo de baixo para cima, sem que isso lhe causasse algum dano, coisa que viu a acontecer a outros companheiros de infortúnio.
"Nunca senti que era um tipo numa cadeira de rodas, sabe ? O que não tem remédio... remediado está", "e eu percebi que, a partir do acidente, ia passar a andar sentado, sempre sentado, e pronto, foi isso que pensei e é isso que penso. Sou um homem igual aos outros, só que sentado"...

O momento de regresso a casa, foi duro, a cadeira a atolar-se na lama da entrada, os degraus impossíveis junto à porta, a miserável ausência de uma casa de banho. 
O pai, "que Deus o tenha em descanso", sempre a fazê-lo sentir a culpa de não ter tido juízo, de ser demasiado alegre, demasiado irresponsável, o pai que sempre vivera com austeridade, casa-trabalho...trabalho-casa, a suspirar com o estado do filho, impacientar-se com a cadeira de rodas, com os degraus, com a lama. Carlos, filho de gente humilde, passara 22 meses em "hotéis de luxo" "Hospitais", entre outros iguais, agora sentia-se diferente, só e carente.

Por ser tão gritante e tão obscena a junção entre a miséria e a deficiência, teve quem se juntasse para ajudar, gentes da freguesia, amigos, segurança social, anónimos, todos deram uma mãozinha, e a casa que diferenciava Carlos tornou-se sua outra vez, uma entrada de pedra, sem lama, uma rampa para a porta, uma casa de banho feita de raiz para quem, como Frazão, é um homem sentado.
.

.

Carlos podia ter ficado a lamentar-se, comovido com a ajuda de solidários, podia ter-se acostumado à mão estendida, pronta só para receber, sem fazer mais do que exibir o óbvio, duas pernas sem préstimo e uma cadeira de rodas.

Mas não, nunca, apaixonado pela mecânica, recomeça devagarinho em casa primeiro, arranjar motores de rega e betoneiras, a inventar engenhocas que davam certo. Um colega desafia-o para sair da toca: " anda, vem trabalhar comigo".
Doido pela vida, doido para ser livre, como que a vida o estivesse a chamar, foi.

Preparou carros para ralis, jipes para todo-o - terreno, "depois, pensei ir mais longe, comecei a trabalhar por minha conta na oficina de um primo".

Decorria o ano de 1988, Carlos levantava-se de manhã cedo, arranjava-se e ia para o trabalho, tornou-se bom naquilo que fazia, especializou-se em adaptar carros para deficientes, e só pecava por não cobrar às vezes como o devia fazer. Trabalhava com amor à camisola, de manhã à noite, tirou cursos de formação, leu e releu livros especializados, sempre na ânsia de como diz: "chegar mais longe".
No entretanto, os amores, endireita-se na cadeira para confessar que nunca lhe faltaram, sorri e desvia o olhar, no embaraço da sua vaidade, mas reafirma que sim, sempre teve " muito convívio com muitas mulheres", e que a cadeira nunca foi um entrave, quais quê, sempre foi igual, só que um homem sentado.

De seguida, mais sério, explica: "apesar de ser paraplégico, não tenho lesão medular, tenho uma pressão medular, o que significa que controlo os esfincteres e não tenho qualquer problema de impotência, o que ajuda, claro !!! Mas ainda que tivesse, acho que tem sempre maneiras de dar volta ao assunto, não é ? Basta ter imaginação... e vontade de viver".
Foi com a vontade de viver que nunca perdeu, nem mesmo com 18 anos que sua vida virou do avesso, que carlos conheceu Isabel. No dia 14 Outubro de 1997, no casamento da irmã, perguntou-lhe: "vamos beber um copo os dois quando isto acabar".
Ela disse que sim, mas não nega que pensou: "xou !! O que é que este coxo quer ir fazer mais eu ?"
A desconfiança pairou perante a graça de Carlos: "rendi-me ao atrevimento dele, à forma natural de estar como qualquer outro homem", renderam-se um ao outro.

Compraram um apartamento primeiro, depois uma moradia, vivem juntos com um filho dela, mas como se fosse dele.
A casa não parece a mesma, Carlos acrescentou um piso térreo onde tem a oficina.

Carlos Frazão é um dos instaladores de carros para deficientes no país certificados pela Lusotécnica. Tirou um curso em Faro e outro em Badajoz, e não tenciona falhar nenhum, desde que surgem e diz: "chegar mais longe".
Mas como diz, a vida não é só trabalho, também se dedica aos desportos motorizados, ralis, karts, todo-o-terreno e moto-4.
No verão de 2005, o infernal incêndio que devastou boa parte do centro do país, e Leiria não fugiu aos mesmos, andou a lamber a casa, os vizinhos. 
Carlos desdobrou-se, reinventou-se, não descansou, andou dias numa roda-viva a transportar leite, água e comida para os bombeiros na sua moto-4, ajudou os populares e vizinhos.
Numa dessas viagens, parou para conversar com um grupo de aflitos quando viu um garoto correr a uma direcção sem saída e demasiado próximo da frente do fogo, teme o pior, acelera a sua moto-4 em direcção à rua, e depara-se com a criança já deitada no chão, semi-inconsciente, rodeada de labaredas do tamanho de prédios. 
Agarra a criança, puxa para cima de sua moto-4 e arrancou para longe do fogo, sem dar por ela, outro rapazola salta para cima da mesma montada, foi a única maneira de fugir para a vida.
Carlos Frazão tornou-se o herói da terra ao salvar das chamas duas crianças, para muitos ele já era um herói vivo, por ser ele um vencedor, salvou-se a si próprio e de nunca ter desistido, embora seja UM HOMEM SENTADO.







"CITAÇÃO DE:
SÓNIA MORAIS SANTOS NAS SELECÇÕES READER´S DIGEST DE MAIO2007"http://alfredocr.blogs.sapo.pt/28432.html
.

segunda-feira, 2 de junho de 2008

' CONTRIBUA '






Apelo a todos os que por qualquer razão se deparem com situações, onde esbarra qualquer deficiente, envie fotos, textos e outros artigos, e faça seu este espaço.


Também os que quizerem escrever aqui e colocar seus artigos, suas denúncias, poderá o fazer me dizendo os endereços que logo mesmo serão colocados como editores de um espaço que poderá ser mais uma ferramenta a usar para contribuir para o melhor desenvolvimento e conhecimento dos que todos os dias esbarram na estupidez de muitos, nas barreiras arquitetónicas que não existem, bem como outras situações que não sei e que poderei saber, para isso conto com a vossa colaboração.

' DEFICIENTES ARRUMADOS '




Texto de Marina Guerra

São inúmeras as dificuldades com que os portadores de deficiência se enfrentam no dia-a-dia. Obstáculos no meio do caminho, escadas, rampas demasiado inclinadas, lugares de estacionamento, acesso a balcões e portas, entre outros. Na sexta-feira passada, dia 23, pelas 21h30, Paulo Santos, deficiente motor natural da Batalha, deslocou-se ao Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, para assistir a uma sessão de cinema, ocupando o lugar disponível na plateia destinado para as cadeiras de rodas. No entanto, cerca de vinte minutos depois de começar a sessão, um funcionário foi interpelado por pessoas que estavam atrás de Paulo Santos que diziam não conseguir ver o filme, caso o indivíduo se mantivesse no local. O funcionário sugeriu a mudança para outros lugares mas tal sugestão não foi aceite. Assim, de forma a encontrar uma solução, o funcionário da sala de espectáculos abordou o deficiente motor e pediu-lhe para mudar de lugar, deslocando-o para o final da fila, junto à porta de saída, local onde se manteve até ao final do espectáculo. Indignação.
Apanhado de surpresa e por uma questão de educação, conta Paulo Santos, optou por não fazer qualquer reclamação, nem durante a sessão de cinema, nem no intervalo.
Contudo, posteriormente, enviou um e-mail à direcção do Teatro José Lúcio da Silva e ao Gabinete da Cultura da Câmara de Leiria a manifestar a sua “indignação” face ao sucedido.“Fala-se tanto de direitos, de cidadania, de igualdade…. Na prática, muitos portugueses continuam preconceituosos, ignorantes e a desrespeitar o próximo.”, afirma, esperando que a situação sirva de alerta para outros casos. Sala em conformidade com a lei. Contactado pelo nosso jornal, Vítor Lourenço, vereador da cultura da Câmara Municipal de Leiria, adiantou que já foi endereçado um pedido de desculpas ao espectador, explicando que foi a primeira vez que uma situação destas ocorreu. Segundo o responsável, a sala de espectáculos está em conformidade com os regulamentos técnicos existentes e as cadeiras imediatamente atrás dos lugares destinados a cadeiras de rodas estão num patamar superior.

Acrescenta ainda que “a decisão de deslocar a cadeira de rodas para outro local não foi a mais correcta. No entanto, as pessoas sentadas nos lugares imediatamente atrás dos destinados às cadeiras de rodas deverão também ter consciência e sensibilidade social, o que neste caso não sucedeu”.
.
.
.
.
Mais uma vez se aplicou a regra; 'Primeiro eu, segundo eu, terceiro eu e só na milésima vez, é que se pensa nos outros'.

Related Posts with Thumbnails