AMIGOS

sábado, 28 de fevereiro de 2009

'' AMPUTADA VIRA A SEREIA ''

Em 2005, quando a ideia de ser uma sereia era uma fantasia completa - e uma forma de evitar que explica a profundidade de sua situação de uma criança.
Nadya Vessey descobre na Weta Workshop a solução para seu sonho, esta empresa que faz as maravilhas da ficção, como criou os melhores cenários para a saga o 'Senhor dos Anéis', empreendeu-se para tornar o sonhos em realidade para esta menina que se viu sem as duas pernas do joelho para baixo, uma aos aos sete anos de idade e a outra aos 16 anos.
Não lhe soando bem a frase de 'dupla amputada', ela, Vassey luta para que o curso de sua vida mude, para isso quer se tornar a primeira sereia, para que isso suceda, a Weta Workshop trabalhou arduamente para fazer uma cauda de próteses em fibra adequadas para o efeito de natação, para assim tornar possível o sonho desta amante das águas da Nova Zelândia.
Confira o sonho;

Leia mais; Nadya vessey - Gizmodo

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

'' SOLIDÃO MATA ''

CASA SEM SOLIDÃO PARA DEFICIENTES

O conceito "open space" esteve subjacente ao projecto de arquitectura do futuro complexo residencial da Maia para acolher 29 pessoas portadoras de deficiência. O investimento será de 870 mil euros ficará pronto em 2010.
Foi graças ao Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais (Pares) lançado pelo Ministério do Emprego e da Segurança Social que a Misericórdia do Porto irá iniciar, a partir de Maio, a construção do Lar Residencial Engº Pacheco de Almada (falecido mesário da Irmandade) na Rua do Mosteiro, em Águas Santas, Maia. O projecto da autoria do arquitecto José Manuel Soares já foi concluído e espera, apenas, a aprovação da Câmara Municipal da Maia para arrancar.
Segundo contou ao JN o autor do projecto, a empreitada terá duas zonas espaciais distintas, mas interligadas e direccionadas para o jardim circundante ao complexo. Além de permitir o acolhimento para 24 pessoas portadoras de várias deficiências, será edificada uma residência autónoma para cinco utentes, também com deficiências, mas com alguma autonomia de movimentos. A visão integrada do conjunto visa promover a interactividade e actividades ligadas ao bem estar físico, motor e ocupacional de forma a por exemplo, incentivar os utentes a fazer coisas aparentemente banais como cozinhar ou lavar a loiça.
"A geometria dos espaços irá permitir o contacto entre as pessoas e em vez do isolamento, como acontece em muitos lares de idosos, vamos incidir muito na vertente ocupacional. Não podemos deixar uma pessoa deficiente numa cadeira de rodas a olhar para a televisão todo o dia ou deitada numa cama", lembrou, ao JN, José Manuel Soares.
O mesário da Misericórdia do Porto, Álvaro Rodrigues, elogiou o "feliz programa" do projectista e realçou a "longa tradição" da Irmandade no apoio e construção de instalações deste tipo: "Não podemos construir na terra o que existe no Paraíso, mas podemos dar o mais possível em termos de felicidade às pessoas", concluiu.
Fonte; JN 22/02/2009

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

'' MAGIC EYE & MAGIC KEY ''







CONTROLAR O PC COM OS OLHOS E A CABEÇA


Já venceu dois prémios na área da integração de pessoas com deficiência devido às suas investigações e propostas para programas informáticos.
E promete não parar por aqui, porque não faltam ideias.

Uma das suas máximas diz que “a falta de recursos financeiros é uma desculpa para os incompetentes”. Por isso, Luís Figueiredo já desistiu de procurar apoios de entidades oficiais para o seu projecto informático. “Não vale a pena perder tempo, prefiro ocupá-lo a fazer o que gosto: desenvolver ideias”, assume este professor da Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG) do Instituto Politécnico da Guarda.
E ideias não lhe faltam. As mais recentes até já lhe valeram dois prémios “Engenheiro Jaime Filipe”, facto inédito no historial deste galardão, o mais importante em Portugal na área da integração e reabilitação de pessoas com deficiência.
.


.
É disso que se trata quando se fala do ‘Magic Key’, premiado em 2006, e com o ‘Magic Eye’, distinguido este ano pelo Instituto da Segurança Social.
O primeiro permite a tetraplégicos usarem um computador, movendo o cursor do rato através de movimentos laterais e subtis da cabeça e a tecla do rato com um piscar do olho.
O segundo é uma aplicação informática com a qual se pode controlar o rato apenas com os olhos, não exigindo que a cabeça esteja imóvel.
Este sistema destina-se a pessoas paralisadas ou a quem tem que ficar imóvel durante um largo período. “O ‘Magic Key’ mudou a vida dos seus utilizadores - e já há cerca de 50 em todo o país, que podem conversar com os amigos, ler os jornais ou jogar. É como que uma extensão do seu corpo.
.

.
LUÍS FIGUEIREDO lembra que as aplicações informáticas que sua equipa desenvolveu mudaram a vida de muita gente.
.
Quanto ao ‘Magic Eye’, “estamos a fazer os primeiros testes, mas permite usar o computador como uma extensão da voz ou dos gestos e até possibilita controlar o ambiente envolvente através de infra-vermelhos, como ligar uma aparelhagem ou a televisão”, explica o investigador.
Luís Figueiredo, de 42 anos, adianta que há mais aplicações em estudo, mas esclarece que este não é um bom negócio.
“Não produzimos para as massas, o nosso público-alvo é reduzido, pelo que nem vale a pena esperar ter lucros”, garante, revelando que uma grande instituição nacional - cujo nome ainda não que revelar - poderá contribuir para fazer baixar os custos. “O ideal era termos apoios públicos para oferecer gratuitamente as duas aplicações a quem precisa, até porque só o ‘Magic Eye’ custa 1750 euros, sobretudo por causa do hardware”, refere.
No entanto, ambas estão oficializadas como ajudas técnicas para pessoas deficientes, pelo que a sua aquisição pode ser comparticipada. Com Luís Figueiredo trabalham dois bolseiros e a sua esposa, professora do Ensino Especial. Os actuais financiadores do projecto são a Fundação Portugal Telecom, o IPG e, pontualmente, a Associação Distrital para a Sociedade da Informação.
Link da Noticia; aqui

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

'' OS COITADINHOS ''

Muitos de aqueles que ficaram privados de terem um vida regular, ou por acidente ou outro motivo de saúde, aos que tentam a custo se ajustar ao novo método de vida.
Temos exemplos de pessoas que conseguiram dar a volta por cima, mas a seu pulso, porque a sociedade onde estamos inseridos ainda nos olham como impecilho, como um coitadinho, como mais um a gastar os seus descontos para o sistema de saúde, é duro ouvir ou ler estas palavras, mas é a verdade constante com que vive o deficiente português.
Se olharmos ao sistema de saúde, onde verbas são destinadas para estes utentes, nem sequer os próprios obtêm conhecimento disso, depois as verbas são gastas onde eles, os gestores, bem querem, possivelmente para bem próprio de alguns, é o mote deste país de ladrões.
Vejam só até onde o cumulo chega, até à pouco tempo, não sabia que tenho uma assistente social, porque por cada numero de x de deficientes é dada uma assistente por zonas, até hoje nem sequer sei quem é, loira, gorda, magra, ou se mesmo ela existe.
Outro exemplo, temos um Provedor nomeado pelo Presidente da Republica para os nossos problemas, até esse nem sei quem é.
É assim, tem tu azar de ficares deficiente, e depois o remédio para isso, é como eu, lamentos.


Vejam estes; >>> AMPUTADOS VENCEDORES <<<

sábado, 7 de fevereiro de 2009

'' CADEIRA DE RODAS POR VOZ ''



Cadeira de rodas eléctrica controlada por voz
No âmbito do projecto Magic Key foi desenvolvido um protótipo de uma cadeira de rodas eléctrica que é controlada por comandos de voz.
Esta cadeira de rodas eléctrica poderá vir a ser usada por pessoas que não têm a possibilidade de usar o tradicional joystick de controlo da cadeira, nomeadamente pessoas tetraplégicas com boa capacidade de dicção. As palavras de comando podem ser dadas em Português e/ou Inglês.
Após ser dado o comando inicial “Liga cadeira”, o utilizador pode controlar a cadeira com as palavras “Anda”, “Para”, “recua”, “Acelera”, “Desacelera”, “Esquerda” e “Direita”.
Se o utilizador disser “Desliga cadeira” a cadeira deixará de responder às palavras de comando referidas, apenas o voltando a fazer quando for dada a ordem “Liga cadeira”. Desta forma o utilizador poderá estar a falar normalmente com outras pessoas sem ter que se preocupar em não dizer as palavras que permitem controlar a cadeira.
A tecnologia desenvolvida neste projecto permite a sua adaptação a qualquer cadeira já existente, mesmo as que não têm uma interface digital para ligação ao computador.
A mesma interface de voz pode ser usada para interagir com outros sistemas, nomeadamente controlando luzes, abrindo portas ou janelas, ou mesmo controlando qualquer dispositivo que funcione com infravermelhos.
Este projecto tem vindo a ser apoiado, para além da ESTG/IPG, pela ADSI da Guarda e pela Fundação PT .

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

'' VONTADE DE VENCER ''



Liana nasceu em 2002 sem parte da perna direita, abaixo do joelho, devido a uma malformação congénita chamada hemimelia fibular. Esta menina chinesa ficou orfã, mas rapidamente um casal norte-americano reparou nela e adoptou-a, a ela e ao seu irmão.
.

Liana foi para os EUA em Dezembro de 2003 e teve a sua primeira prótese em Fevereiro de 2004. A princípio, Liana não se mostrou muito entusiasmada, contudo aos poucos começou a adaptar-se.
Entretanto, todos os anos têm de utilizar uma prótese nova, porque está em crescimento. Todas se têm marcado por uma característica que as tornam únicas: são próteses com a Hello Kitty estampada!
.

.
Um gosto pessoal de Liana que ela pediu para o ortoprotésico colocar nas suas próteses.
Actualmente, com 7 anos, Liana ainda utiliza a Hello Kitty estampada na sua prótese. Pratica ginástica e recentemente ficou em primeiro lugar numa competição.
Adivinha-se um futuro promissor para esta jovem.
.

.
Related Posts with Thumbnails